Teatro: O Homem de La Mancha | Teatro da FIESP

hArquivo (1)

Não são muitas as obras que conseguem manter-se atuais por anos corridos. Quatrocentos anos se passaram, e ainda enfrentamos a decepção da sociedade moderna, a necessidade de manter os pés no chão, seguindo objetivos palpáveis. Afinal sonhar ou enxergar além da realidade é, de fato, coisa de gente maluca.

Em Don Quixote, o protagonista, um fazendeiro de meia idade, deixa se levar pelos romances que lê e perde completamente o juízo, confundindo sua realidade com aquelas histórias. Sai então para o mundo, sob a alcunha do Cavaleiro da Triste Figura para lutar contra dragões e salvar sua donzela.

O Homem de la Mancha, versão para o teatro de Dale Wasserman, é uma peça emblemática, encenada no mundo inteiro desde 1965. A primeira vez que tivemos uma montagem no Brasil, foi em 1972. Nesses 50 anos muita coisa mudou, o cenário brasileiro é outro, mas a mensagem continua valendo: superar a opressão, combater as injustiças, buscar respostas no horizonte além do vazio que está ao nosso redor.

Na montagem da peça, Miguel Falabella consegue resgatar a figura do brasileiríssimo Bispo do Rosário e estabelecer um diálogo com Don Quixote. Pouco se sabe da história de Artur Bispo do Rosário. Ele era um marinheiro que após um surto foi diagnosticado com esquizofrenia, e passou mais de 40 anos internado em um manicômio.  Lá dentro, passou a produzir peças artesanais com sucatas e outros objetos de uso cotidiano, tais como talheres, botões, madeira. Ele acreditava ser um enviado de Deus, encarregado de julgar os vivos e os mortos no dia do juízo final. Nesse dia, levaria com ele os objetos, estandartes, e vestiria o famoso Manto da Apresentação. Só a partir da década de 80, seu trabalho foi reconhecido como vanguarda artística.

Um manto parecido veste o “Governador”, o representante de Deus, o que lidera o grupo de indivíduos dentro do manicômio. Chega então um novo paciente, que se apresenta como Miguel de Cervantes, acompanhado por seu criado, Sancho. Diante do julgamento instaurado, Miguel apela para a encenação: sua defesa será encenada por ele e pelos outros integrantes da instituição.

“A liberdade é um dos mais preciosos dons que os homens receberam dos céus. Com ela não podem igualar-se os tesouros que a terra encerra nem que o mar cobre; pela liberdade, assim como pela honra, se pode e deve aventurar a vida, e, pelo contrário, o cativeiro é o maior mal que pôde vir aos homens.”
Don Quixote de La Mancha

Afinal, um pouco de Quixotismo não faz mal à ninguém.

  

O HOMEM DE LA MANCHA
http://www.sesisp.org.br/cultura/teatro/o-homem-de-la-mancha.html

Teatro do Sesi-SP
Avenida Paulista, 1313 – Bela Vista
Próximo ao metrô Trianon-Masp

De 13 de setembro a 21 de dezembro
Quarta a sexta, às 21h | Sábados, às 17h e às 21h | Domingos, às 19h

Grátis – entrada controlada mediante a retirada de ingresso
Ingressos gratuitos reservados online pelo site www.sesisp.org.br/meu-sesi de 15 em 15 dias a partir do dia 25 de agosto. Serão distribuídos 50 ingressos por sessão na bilheteria, no dia do espetáculo, a partir do horário de abertura da bilheteria. Horário da bilheteria: quarta a sábado, das 13h às 21h; domingo, das 11h às 19h. Quarta a sexta às 21h; sábado às 17h e 21h e domingo às 19h

About the author

Annah Annah | Designer de interiores, moderninha, curiosa. Gosto de revirar a cidade em busca de exposições, intervenções artísticas e lugares, coisas lindas e singulares que a Paulicéia tem a nos oferecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *