Akamoji, Aomoji, Kuromoji

Aomoji Kei, Akamoji Kei, Kuromoji Kei. Esses termos vem sido utilizados para entender um pouco sobre os sistema de classificação das publicações japonesas, estendido para termos das ruas, como o Aomoji Kei por exemplo. É interessante saber como funciona para entender também a influência que essas revistas exercem sobre a moda em geral no Japão, portanto vamos estudar um bocadinho sobre eles:

Akamoji – (Aka – Vermelho, Moji – Letra/Logo, Kei – Estilo)

Akamoji Kei é a classificação de revistas originalmente com o Logo em tons de vermelho, em meados dos anos 90. As 4 principais representantes eram a Ray, CanCam, JJ e Vivi.

Na ordem: Ray janeiro/2015, CanCam janeiro/2015, JJ dezembro/2012 e ViVi Novembro/2014

A proposta dessas publicações era “independência e responsabilidade”. Incluindo entre o principal público-alvo mulheres com seus 20 anos e jovens da área empresarial (Office Ladies). Atitudes para uma mulher independente e roupas para trabalho eram exploradas por essas revistas. A linha atual de discurso inclui independência e casualidade, já que o traje de trabalho é cada vez menos rígido nessas áreas de atuação.
Atualmente apenas Ray e CanCam permanecem no formato clássico, enquanto Vivi e JJ mudaram um pouco o foco e retiraram a sessão mais conservadora e de trajes para trabalho, substituindo por tendências de moda para garotas.

Ray janeiro/2015:


CanCam Janeiro/2015:


JJ Janeiro/2015:


ViVi Novembro/2014:



Aomoji Kei (Ao – Azul, Moji – Letra / Logo, Kei – Estilo)

Aomoji Kei é o nome dado a classificação de revistas contra-cultura que representam o estilo de Harajuku, e também uma resposta ao Akamoji Kei. Originalmente foi demarcado pelo Logo em tons de azul das revistas. Sweet and CUTiE, KERA e Zipper são as principais e apresentam uma proposta do visual “vestir para si mesma e não para os outros”, pessoas que queiram criar uma identidade mais alternativa de seu vestuário. O público alvo varia de garotas dos 15 aos 25 anos.

Na ordem: CUTiE Maio/2010, Zipper Junho/2013, Kera Dezembro/2012

O nome foi criado por Yusuke Nakagawa, da Asobi System, empresa responsável pela promoção de talentos influentes da cultura Harajuku, como Capsule, Kyary Pamyu Pamyu e modelos populares como Ayumi Seto.

Considerando a inclusão da revista Kera, que informa sobre a moda de estilos já conhecidos como Lolita, Visual Kei, Fairy Kei, Boystyle, entre outros, é válido considerar todos os estilos de Harajuku como Aomoji, no entanto o termo é mais utilizado para aqueles não classificáveis do bairro. Pessoas que seguem influências de Harajuku mas não necessariamente se adequam aos rótulos citados, principalmente os looks mais leves e casuais, mistura de vários estilos, que na verdade representam a maioria dos visuais encontrados por ali.

CUTiE fevereiro/2015:


Kera março/2015:


Zipper dezembro/2014:

Kyari Pamyu Pamyu é a atual responsável pela divulgação e promoção do Aomoji Kei. Também colocaria a cantora Kaela Kimura como uma bela representante do estilo, embora sua influência seja maior dentro do Japão do que fora.

Kyari Pamyu Pamyu:


Kaela Kimura:


Modelos Aomoji Kei participando de um picnic por HARAJUKU KAWAii!!

Kuromoji (Kuro – preto, Moji – Letra/Logo, Kei – estilo)

Kuromoji kei é a classificação para publicações com o Logo originalmente em tons de preto e cinza. As principais representantes são Gina, Jelly, SCawaii, Blenda e Happy Nuts (as duas últimas não mais publicadas).

Na ordem: Gina novembro/2014, Jelly dezembro/2014, SCawaii maio/2015, Blenda agosto/2013 e Happy Nuts fevereiro/2014
Na ordem: Gina novembro/2014, Jelly dezembro/2014, SCawaii maio/2015, Blenda agosto/2013 e Happy Nuts fevereiro/2014

A proposta dessas revista é de um look mais maduro para as Gyaru: OneeGyaru / Otona Gyaru.
Elas focam em lifestyle gyaru e tendências de marcas. A moda é menos fofa e mais “descolada”, sexy e/ou casual, com muita influência ocidental. Faixa etária do público-alvo varia dos 20 aos 35 anos.

Jelly dezembro/2014:


SCawaii março/2015:


Blenda agosto/2013:


Happy Nuts fevereiro/2014:


Existem algumas outras classificações, mas achei necessário, inicialmente, focar apenas nas principais ( o que espero não ter ficado muito técnico). Apesar de parecer muito orgânico, percebe-se que sim, publicações influenciam muito a moda urbana japonesa e é interessante perceber um pouco de como as coisas funcionam. A mídia cria a tendência ou a tendência influencia a mídia? É o eterno jogo do ovo e a galinha.

Veja também:
+ O que é Harajuku?
+ O que é Gyaru?
+ O que aconteceu com o estilo Gyaru?
+6% Doki Doki por Sebastian Masuda

Fontes e referências:
+oh my little girlWhat in the world is Aomoji kei
+Universal – DollJapanese Fashion Styles Broken
+Universal Doll – Aomoji-kei Brand Aymmy in the Batty Girls
+ Asobi Systemhttp://asobisystem.com/
+ Kyari Pamyu Pamyuhttp://kyary.asobisystem.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *