Decoração: Casa Cor 2016

casacor2016

A edição de 2016 da Casa Cor São Paulo comemora 30 anos e conta com espaços produzidos por decoradores, designers, arquitetos e paisagistas. O evento acontece no prédio construído pelo arquiteto francês Henri Paul Pierre Sajous, no início do século 20, e que foi restaurado para o evento: o Ambulatório do Jockey. 

Alguns espaços estão mais comportados e clássicos, outros completamente inusitados. Depois do choque (e do encantamento) de passar por ambientes com muita vegetação, dentro de um vagão de trem, revestidos de madeira, com papel de parede até no teto e areia na sala, fiz uma seleção de características que se repetem, e que a gente pode interpretar como tendências.

Verde, muito verde, seja em painéis de vegetação, ou nas tintas das paredes, nos revestimentos em madeira, móveis, sofás, almofadas. Estamos vendo uma profusão de verdes: desde o esmeralda, passando pelo hortelã, o pistache, até o água marinha (pastel).

Além do verdinho, outra candy color que ganhou o coração dos designers foi o rosa bem clarinho, que a Pantone previu para 2016, combinado com brancos, cinzas e artigos em cobre ou dourado. E cortinas compridas, do teto até o chão (que aumentam a sensação de altura do ambiente), com barras bem marcadas, às vezes até com tecido em outra cor.

Muita luminária retrô, em vidro trabalhado e rebuscado. No mobiliário, móveis mais modernos (algumas peças art deco e anos 50/60), e contemporâneos.

Em alguns espaços os revestimentos se repetiam: a madeira do piso também estava no teto, ou do piso subia pelas paredes. Também aparecem algumas improvisações com luminárias remontadas, ou a mesa de centro em blocos de concreto, contrastando com tecidos e outros moveis de acabamento bem clean e moderno.

Para finalizar, dois ambientes estavam deixando alguns visitantes incrédulos. Não pelas decorações (que a propósito, eu gostei!), mas pelas técnicas e tecnologias envolvidas. Num desses espaços, elaborado pelo arquiteto Nildo José, foi plantada (?) uma jaboticabeira flutuante. As raízes da arvore foram embaladas de acordo com uma técnica japonesa chamada kokedama, e tudo ficou suspenso preso por cabos de aço no teto. A planta deve ser borrifada com água nas raízes.

O outro espaço tem um visual bem contemporâneo, mas com os dois pés no futuro. Projetada por Guilherme Torres, essa cozinha tem uma pia que abriga a lava louça, a torneira e a coleta seletiva com processamento de lixo orgânico, tudo embutido e escondido atrás de uma bancada. Tem também uma mesa-bancada em inox com indução de calor que serve como fogão, e uma geladeira com cara de armário, com embalagens individuais que gelam ou congelam na temperatura ideal para cada alimento. Parece ficção científica, mas essas são apostas para a cozinha dentro de dez anos (e essas tecnologias já são bem reais!).

CASA COR SÃO PAULO 2016
até 10 de julho de 2016.

Jockey Club de São Paulo
Av. Lineu de Paula Machado, 775 – Cidade Jardim.

Terça à quinta das 12h às 21h.
Sexta, sábado e feriados das 12h às 21h30.
Domingo das 12h às 20h.

ingressos:
De terça a quinta-feira ingresso inteiro: R$ 52
Sexta, sábado, domingo e feriados ingresso inteiro: R$ 65
estudantes e idosos pagam meia. associados da ABD têm 30% de desconto, crianças até 12 não pagam.
Valet: preço único R$ 30

About the author

Annah Annah | Designer de interiores, moderninha, curiosa. Gosto de revirar a cidade em busca de exposições, intervenções artísticas e lugares, coisas lindas e singulares que a Paulicéia tem a nos oferecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *