Filmes para o Dia dos Namorados

Junho é aquela época do ano que a gente curte o friozinho, curte ficar juntinho. Conforme o mês vai avançando regado a quentão, vinho quente e festas juninas, observamos uma profusão de coraçõezinhos pipocando nas vitrines e propagandas. Para felicidade dos casais — e talvez tormento de alguns solteiros –, 12 de junho é o dia dos namorados aqui no Brasil. Inspiradas nesse dia, eu, Camila e Cláudia fizemos uma lista de filmes. A proposta é curtir o dia dos namorados, seja no clima love-love ou não! (sério, tem de tudo aqui, dá uma conferida!)


Moonrise Kingdom: Ambientado em uma ilhota isolada durante década de 60, esse filme do Wes Anderson é meigo e carrega uma inocência rara de se ver nos filmes atuais. A história é sobre o primeiro amor entre dois jovens de 12 anos que fogem juntos, se tornando procurados por autoridades e pela família. É uma aventura leve e muito divertida, mas que mesmo assim consegue aprofundar-se na relação entre seus protagonistas e a identificação que existe entre ambos. Como toda obra do Wes Anderson, o filme ainda conta um lindíssimo visual e um elenco estrelar. É o meu filme favorito do diretor por trazer uma carga de nostalgia de uma idade onde os problemas eram mais simples, mas vividos com veracidade e intensidade, e por retratar a simples pureza do amor.

 

Antes do Amanhecer: Esse clássico de 1995 é a simples história de um americano e uma francesa que se conhecem em uma viagem de trem e passeiam pela cidade Viena, aproveitando o pouco tempo que podem passar um com o outro pois na manhã do dia seguinte cada um deve seguir seu destino. O filme fascina por ser principalmente um diálogo entre os dois jovens. Jesse e Celine são pessoas muito reais que, ao final do filme, conhecemos profundamente. O trunfo desse filme foi trazer uma história de amor ao mesmo tempo linda e palpável, sem excessos de açúcar e de gestos românticos insuperáveis. Vale dizer que esse filme faz parte de uma trilogia junto com Antes do Pôr-do-sol (de 2005) e Antes do Anoitecer (de 2015) que dão continuidade ao relacionamento de Jesse e Celine em diferentes momentos das suas vidas.

 

Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças: Podemos chamar esse filme de obra prima? Acho que podemos sim! O filme conta a história de Joel que, abalado pelo término do seu relacionamento com Clementine, decide apagá-la completamente da sua memória… mas acaba se arrependendo disso no meio do processo. É uma forma inovadora de se analisar um relacionamento e trazer de volta à memória aqueles momentos de cumplicidade e felicidade, muitas vezes apagados por desentendimentos e mágoas.

 

Medianeras: Esse filme argentino também não tem nada de amor idealizado. Na verdade é muito real. Martin e Marina são muito semelhantes: pensam parecidos, são inteligentes e muito solitários e depressivos. São vizinhos um do outro que se cruzam e frequentam o mesmo lugar mas, no meio de uma cidade tão grande quanto Buenos Aires, não chegam a se encontrar. Não se engane com essa premissa triste, pois o filme é deliciosamente divertido e, ainda assim, sensível e reflexivo.

 

Meia Noite em Paris: Gil e Inez estão prestes a se casar. Ele, escritor de sucesso em Hollywood, mas extremamente frustrado, sonha com uma vida em Paris, onde quer morar e escrever um livro de sucesso. Ela, mas prática, sonha com uma vida confortável e luxuosa em Malibu. Eles viajam para Paris e, uma noite, caminhando sozinho pelas ruas da cidade, Gil é transportado para a Paris que ele idolatra: a Paris de 1920, onde pode se encontrar com todos os intelectuais que admira. O filme é permeado de humor, e as situações amorosas flutuam num questionamento de desejos nunca realizados, na nostalgia e na insatisfação com a vida.

 

Cartas Para Julieta: Outro filme que começa com um casal fadado ao fracasso: Sophie e Victor viajam para Verona (onde se passou a história de Romeu e Julieta), em uma lua de mel antecipada. Ele está completamente envolvido em uma busca por fornecedores para seu restaurante. Ela, sentindo-se abandonada, une-se a um grupo de mulheres que responde cartas de amor que as moças deixam para “Julieta”. Sophie encontra uma carta antiga escrita por Claire, e resolve responder. Inesperadamente, Claire vem a Verona com seu neto Charlie, em busca de seu amor do passado, Lorenzo. É uma história bonitinha e açucarada na medida certa.

 

Bonequinha de Luxo: Holly é uma acompanhante de luxo que teve um passado sofrido e sonha em ser uma atriz famosa e casar com um homem rico. Ela se muda para Nova Iorque, e conhece Paul, um escritor, com quem desenvolve uma relação de amizade. Ele não está interessado nos atributos físicos da moça, e a gente já imagina onde isso vai parar. O filme é um clássico e Holly tem um repertório de frases impactantes para refletir sobre relacionamentos.

 

Orgulho e Preconceito: A famosa obra de Jane Austen é adaptada com muita sutileza, fotografia e figurino impecáveis e inspiradores. Com pensamento avançado para sua época, a escritora construiu personagens femininas fortes e de características marcantes dentro de uma estória aparentemente simples. Ambientada na Inglaterra do século XIX, a estória gira em torno de Elizabeth Bennet e sua relação com os costumes, obrigações e moral na sociedade da época. A construção de uma narrativa focada no círculo familiar da personagem e sua relação crítica com a aristocracia inglesa são pontos fortes da trama. O desenvolvimento das irmãs Bennet com seus respectivos interesses românticos também são uma delícia de assistir. Um filme leve e gostosinho para assistir em uma tarde de domingo.

 

Simplesmente Amor: Comédia romântica inglesa com uma pitadinha de drama feita para o Natal, mas muita calma. A estória é divertida e brinca com todos os clichês relacionados ao gênero, por isso aqui a indicação. Com várias estórias paralelas que se relacionam entre si ou não, o filme demonstra diferentes tipos de amor (entre família, amigos, jovens casais, velhos casais, triângulos) de forma leve e extremamente divertida. Para assistir e reassistir a qualquer hora.
Além disso, inclui elenco espetacular: Emma Thompson, Alan Rickman, Bill Nighy, Martin Freeman, Colin Firth, entre muitos outros.

 

Shelter: Faltou aquele típico filme água com açúcar fofinho por aqui, não ? Shelter possui uma trama leve de superação e autoconhecimento, com uma pitadinha de drama. Zach precisa aprender a lidar com os problemas familiares e a responsabilidade de criar seu sobrinho de uma irmã irresponsável, ao mesmo tempo em que lida com novas descobertas em sua vida.

 

Imagine eu e você: Outro filme gostosinho para essa tarde de domingo, a estória retrata com muita sutileza o surgimento de um romance sem grandes clichês românticos em um cotidiano comum e possivelmente real entre um casal recém-casado e uma florista de bairro.

 

O Fabuloso destino de Amélie Poulain: Amélie é uma personagem única. Amor, sutileza, peculiaridade e criatividade são as principais qualidades que a definem, e o mote principal desse filme. Com fotografia, edição e trilha sonora maravilhosos, O Fabuloso destino de Amélie Poulain é um olhar otimista e criativo sobre um mundo aparentemente endurecido e comum.
A atriz consegue transmitir uma série de belas expressões com apenas um olhar e a personagem descobre como mudar o mundo particular de cada pessoa ao redor com pequenos e cotidianos gestos de amor. Para fechar esse post com chave de ouro. ♥

About the author

Annah Annah | Designer de interiores, moderninha, curiosa. Gosto de revirar a cidade em busca de exposições, intervenções artísticas e lugares, coisas lindas e singulares que a Paulicéia tem a nos oferecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *